Gramática à Distância de um Clique

Novembro 3, 2008

ACTOS DE FALA

Filed under: Uncategorized — Sísifo @ 1:48 am

     Qualquer frase, ao ser enunciada, remete para a realização de três actos: um acto locutório, um acto ilocutório e um acto perlocutório.

     O acto locutório corresponde ao acto de pronunciação de palavras e frases que veiculam determinado conteúdo proposicional / mensagem.

 

Acto Locutório — Comportamento verbal governado por regras que permitem a realização da intenção comunicativa. Corresponde ao acto de pronunciação de palavras e frases que veiculam determinado conteúdo proposicional / mensagem.

 

Actos ilocutórios  — Produz-se um enunciado e realiza-se uma acção.

 

Categorias

Objectivos

Marcas Linguísticas

 

Assertivos

·     Traduzem uma posição, uma verdade assumida pelo locutor.

·      Verbos declarativos (exs.: afirmar, concluir, declarar, dizer, aceitar, etc.);

·      Verbos assertivos (exs.: aceitar, admitir, achar, acreditar, considerar, confessar, discordar, negar, responder, entender, etc.);

·      Expressões verbais modalizadas (exs.: considerar / achar necessário, possível, certo; colocar a hipótese de, etc.);

·      Asserções simples (afirmativas/negativas).

·      O Eusébio foi um grande futebolista.

·      Acredito que o Benfica será campeão.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Directivos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

·     Revelam a intenção de o locutor (através de ordens, sugestões, pedidos, …) conduzir o interlocutor a agir segundo o que lhe é dito, isto é, à realização de uma acção.

·      Expressão da ordem, pedido, conselho, aviso, sugestão, instrução através de:

Ø frases de tipo imperativo;

Ø verbos directivos (exs.: avisar, exigir, implorar, mandar, ordenar, proibir, etc.);

·      Expressão de pedidos de informação/confirmação com base em:

Ø frases simples interrogativas;

Ø frases complexas interrogativas dominadas por verbos de inquirição (exs.: perguntar, interrogar, inquirir, investigar, etc.);

Ø frases interrogativas negativas com valor positivo.

·      Expressões volitivas do tipo «querer que + verbo”.

·      Assine aqui, por favor.

·      Não é verdade que demoraste três horas a fazer o teste?

 

 

 

 

 

 

 

 

Expressivos

·     Exprimem sentimentos, emoções, estados de espírito do locutor face ao que enuncia.

·      Verbos expressivos (exs.: agradecer, compadecer-se, congratular-se, deplorar, desculpar-se, deplorar, felicitar. lamentar, repudiar, etc.);

·      Verbos modalizados por advérbios (exs.: achar bem/mal, gostar muito/pouco, etc.);

·      Frases de tipo exclamativo.

·      Agradeço a tua lembrança.

·      Gosto muito de ter aulas de Português.

 

 

 

 

Compromissivos

·    Traduzem o compromisso de o locutor realizar uma acção futura.

·      Frases simples marcadas pelo futuro do indicativo ou outro do mesmo valor;

·      Verbos compromissivos (exs.: comprometer-se, garantir, jurar, prometer, tencionar, etc.);

·      Fórmulas de despedida que dêem lugar a compromissos futuros;

·      Frases complexas, com lógica do tipo condição-consequência, em que a última dá lugar a comprometimento do locutor.

·      Logo falto à aula.

·      Se não trouxeres o documento assinado pela tua mãe, não irás à visita.

 

 

 

 

Declarações

·     Expressam o poder (reconhecido institucionalmente) de o locutor criar / transformar uma realidade pelo próprio acto de dizer (actos oficiais: casamentos, reuniões, julgamentos).

·      Frases proferidas por locutores institucional ou individualmente reconhecidos com poder, autoridade;

·      Verbos declarativos/performativos: declarar, renunciar, nomear, baptizar abrir, encerrar, terminar.

·      Os serviços encerram por hoje.

 

 

 

 

Declarações assertivas

·     Pretendem exprimir o que deve ser considerado como uma verdade a seguir, por o locutor possuir uma autoridade específica que é reconhecida pelo interlocutor.

·     Expressões modalizadas: ser fundamental, considerar importante, considerar fundamental, considerar imprescindível.

·     É essencial que o senhor traga todos os comprovativos.

·     É a resposta da Teresa que está correcta.

 

 

Acto perlocutório Refere-se aos efeitos produzidos junto do interlocutor pela realização de determinado acto ilocutório. Podem considerar-se actos perlocutórios «convencer», «persuadir», «ajudar», «atrapalhar» ou «assustar».

 

Actos ilocutórios indirectos – O locutor quer dizer algo diferente daquilo que expressa em sentido literal. Tomemos o seguinte exemplo: quando o professor pergunta: “Pode vir ao quadro resolver o TPC?”, não visa saber se o aluno é capaz ou não de se deslocar até ao quadro e cumprir a tarefa solicitada; terá, sim, em mente, de uma forma mais simpática, fazer um pedido.

 

 

Força ilocutória-  Quando falamos, temos sempre uma intenção comunicativa  a atingir, que se traduz na realização de certos actos (fazer um pedido, dar uma ordem, fazer promessas, pedir desculpa). Podemos dizer que todos os actos ilocutórios têm uma força de realização, uma força ilocutória. 

12 comentários »

  1. sao tds um ganda burros……… cambada d burros

    Comentar por ss — Janeiro 11, 2009 @ 15:59 pm

  2. Utilizador ss, que ironia! “sao tds um gandas burros (…)”

    Que grande falácia que cometeu! Invoca a falta de inteligência das pessoas, mas nem autoridade tem para o afirmar. Falta de pontuação, escrita em calão, uso de um artigo indefinido e logo após, uma palavra no plural. “Burros”, não seremos nós, mas sim você, que mostrou falta de dignidade perante um espaço público, a que todos os estudantes podem aceder para tirar dúvidas ou resolver alguns exercícios.

    Melhores cumprimentos, Guilherme.

    Comentar por Guilherme — Fevereiro 3, 2010 @ 1:16 am

  3. Concordo com o Guilherme, mas chamar alguém “você” não e português.

    Comentar por Beatriz — Dezembro 1, 2010 @ 17:52 pm

    • É português, o Guilherme apenas está a tratar o dito ” ss ” como sendo alguém que não conhece mas que respeita.

      Comentar por Miguel — Fevereiro 18, 2011 @ 0:24 am

    • É bastante português aliás. Você segundo li tem origem na expressão “Vossa mercê” que era utilizada na época medieval para se referir aos nobres (alta sociedade) por quem se tinha respeito. Daí evoluiu para “você” que utilizamos para nos dirigirmos a alguém com respeito sem no entanto conhecer.

      Comentar por Ricardo — Outubro 23, 2011 @ 14:10 pm

  4. voce nao se diz a muito tempo

    Comentar por Antonio — Outubro 31, 2011 @ 19:21 pm

    • Na faculdade é o que mais ouve-se.

      Comentar por Karen — Janeiro 8, 2014 @ 13:09 pm

  5. “Você, não se diz há muito tempo”

    Comentar por brunalopesbarcelos — Março 8, 2012 @ 22:51 pm

  6. adorei esta pagina me ajudou muito na realização de alguns exercicios.

    Comentar por djalett — Março 28, 2012 @ 22:32 pm

  7. To mui grato pela ajudah

    Comentar por Ricardo caetano alberto mutita — Setembro 7, 2013 @ 18:34 pm

  8. Gostei do trabalho apresentado.

    Comentar por Merlina — Junho 4, 2014 @ 2:26 am

  9. This is why Facebook games are becoming more popular. The ease of use and dissemination of content, tagging ddkkbddfddge

    Comentar por Johnb117 — Agosto 31, 2014 @ 22:05 pm


RSS feed for comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

site na WordPress.com.

%d bloggers like this: